Este site utiliza cookies para melhorar a experiência de navegação e não guarda dados identificativos dos utilizadores. Poderá desativar esta função na configuração do seu browser. Para saber mais, consulte a Política de Privacidade.

Beiras
Trilhos do património

roteiro

Trilhos do património

Conheça o Património Religioso do Fundão, Covilhã, Belmonte, Manteigas, Seia e Gouveia  - 3 dias

1º Dia Fundão, Covilhã - Manhã

Comece na Igreja Paroquial da Póvoa da Atalaia ǀ Igreja de Santo Estevão

Comece na Igreja Paroquial da Póvoa da Atalaia ǀ Igreja de Santo Estevão 
Igreja cuja fundação medieval podemos apenas imaginar, não restam quaisquer vestígios dessa sua origem. Sabemos, porém, que terá sido remodelada no séc. XVI, data da construção do campanário, e totalmente reconstruída e ampliada entre os sécs. XIX e XX, altura em que a igreja é invertida – campanário passa para a cabeceira, em vez de estar junto à fachada principal – e a fachada principal virada a oriente. Preste atenção ao retábulo de Estilo Nacional, em talha dourada e policromada, incluído em 1915, vindo do Convento de Santo António de Castelo Branco. Vale a pena observar ainda a zona central do retábulo, destinada a receber o Santíssimo Sacramento e a acolher o orago (Santo Estevão), uma zona preferencial de decoração e exaltação. A tribuna em arco de volta perfeita é coberta com abóbada de concha com gomos decorados por folhagens enroladas, integrando o trono eucarístico, com quatro degraus. As volutas, os motivos eucarísticos e da Paixão de Cristo (lança) marcam presença no sacrário.  
40.063856, -7.434713

Passe pela Casa da Poesia Eugénio de Andrade e Percorra o Caminho Eugénio de Andrade (PR 12)
Na aldeia de Póvoa de Atalaia, na antiga escola primária, aproveite para aprender um pouco mais sobre a vida e obra do poeta Eugénio de Andrade, através de textos, imagens, objetos e vídeos. Já que aqui está, e mantendo o tema do dia, aproveite para conhecer a aldeia, percorrendo o Caminho Eugénio de Andrade, com cerca de 5.2km.  
40.063434, -7.433952

Visite a Igreja Paroquial da Fatela - Campanário - Capela de Nossa Senhora da Conceição 
Referenciada desde 1320, a Igreja Paroquial da Fatela nada preserva do seu período medieval. O edifico que hoje vemos pensa-se que tenha sido reconstruído nos séculos XVI e XVII, o campanário, a escultura de Nossa Senhora com o Menino Jesus e a janela da sacristia são marcas disso mesmo. Mais tarde, nos séculos XIX e XX, terá sido totalmente reformada. Com tanto para ver, onde focar o olhar? Nós ajudamos. No lado sul da igreja ergue-se o campanário junto a este encontrará a Capela de Nossa Senhora da Conceição, conjunto classificado como Imóvel de Interesse Público desde 1967. Reza a história que esta última terá sido construída no início do séc. XIX, na sequência de um voto da casa Taborda Falcão, aquando das Invasões Francesas, mais tarde convertida em panteão familiar, no qual se identificam elementos barrocos, rococós e neoclássicos, indiciando um estilo tardo-barroco, que permaneceu vivo por todo o território nacional até meados desse mesmo século. Repare ainda nos retábulos laterais em honra de São Francisco e Santo António. Numa escultura em madeira do século XX encontra-se materializado o orago do templo, São João Batista.
40.15828, -7.431942falta

Almoço

Visite o Museu de Arte Sacra

Visite  o Museu de Arte Sacra da Covilhã, com traça arquitetónica do século XX. Nos 850 m2 deste núcleo, encontre coleções de pintura, escultura, metais, ourivesaria e paramentaria. No seu espólio destacam-se várias peças relacionadas com a história da cidade, como o Relicário do Santo Lenho ou a imagem de Cristo Deposto, e ainda peças singulares, como a imagem de Nossa Senhora das Almas ou o Menino Jesus da Cartolinha.

Contemple o Antigo Convento de São Francisco | Igreja Paroquial de Nossa Senhora da Conceição

O primeiro convento a ser fundado no Bispado da Guarda terá sido o Convento de São Francisco da Covilhã, no séc. XIII. Da edificação do cenóbio subsiste a Igreja, do séc. XIV, e profundamente alterada nos séculos seguintes, sobretudo XIX e XX, altura em que se transforma a frontaria, e que se constroem a torre sineira, o anexo norte e duas salas destinadas a eventos lúdicos e a conferências e, ainda, as abóbadas da nave. Da primeira edificação vemos o portal principal, em arco quebrado, com três arquivoltas e colunelos com capitéis; a antiga porta travessa, transformada em janela, com capitéis em colchete e a cachorrada decorada com motivos geométricos e vegetalistas. Verá ainda vestígios de várias campanhas de obras, nomeadamente renascentistas e barrocas. Já no século XVI foram adicionadas duas capelas funerárias onde se encontram os túmulos de D. Joana de Castro e marido, D. João Fernandes Cabral (irmão de Pedro Álvares Cabral) e de D. Fernando de Castro e o do seu filho, D. Diogo de Castro, Alcaide da Vila da Covilhã, Alcaide-Mor do Sabugal e Alfaiates. Repare ainda no retábulo em talha dourada (Estilo Nacional), nos quatro painéis alusivos aos quatro santos da Ordem de São Francisco, e no conjunto de dez pinturas alusivas ao amor de Deus expresso na Paixão de Cristo, da autoria de Manuel Pereira.  

Pare na Capela de Santo Cristo

Nada resta do templo medieval anterior à capela que visitará. Ela terá sido reedificada no início do séc. XVIII, servindo nessa altura como porto de abrigo para peregrinos chegados de todo o mundo. Era preciso conferir maior dignidade a este templo tão concorrido, e a capela foi então enquadrada nos cânones tardo-maneiristas do “estilo chão”. Arquitetura simples mas coerente, da qual se destacam o requintado portal principal e no interior o bem lavrado arco pétreo que enquadra o retábulo-mor de Estilo Nacional. As paredes laterais foram revistas de pinturas de qualidade superior, alusivas a vários episódios bíblicos. A figura central de todo este culto, que justifica a qualidade artística do templo, é a imagem de Cristo Crucificado, muito provavelmente saída das mãos de uma oficina lisboeta no início do século XVIII. 

2ª Dia Manteigas, Belmonte, Seia - Manhã

Visite o Museu do Território – Casa da Torre Caria

Construído no início do século XIV para receber a residência dos Bispos de Guarda, das muralhas do Castelo de Caria nasceu a Casa da Torre para acolher não só o clero, mas também um vasto espólio arqueológico recolhido de Centum Cellas, da Villa da Quinta da Fórnea, do Castelo de Belmonte, da Casa da Torre e do Convento N.ª Sr.ª da Esperança.

Contemple a Igreja de Santiago e Capela dos Cabrais

Estima-se que tenha sido construída em 1240, tendo vindo a sofrer alterações/ampliações ao longo dos tempos, pela mão dos Cabrais. Na viragem para o século XV, D. Maria Gil terá mandado edificar a Capela de Nossa Senhora da Piedade, cumprindo a vontade de D. Gil Cabral (Bispo da Guarda) expressa em testamento.
Ao traço românico que molda a estrutura juntam-se inúmeros pormenores góticos e maneiristas, fazendo deste um monumento único. No interior, pare para contemplar a pietá em granito, as maravilhosas pinturas murais e o púlpito tardo-gótico. Uma paragem obrigatória para encontrar conforto espiritual durante a peregrinação até Santiago de Compostela.

 

Conheça o Centro Interpretativo do Vale Glaciar do Zêzere - CIVGLAZ (Manteigas)
Inaugurado em 2013, tem como objetivo dar a conhecer outras perspetivas e visões do Vale Glaciar do Zêzere, bem com o potencial turístico do concelho.

Almoço

Pare perante a Nossa Senhora da Boa Estrela ou Senhora dos Pastores e Capela de São Pedro (Seia)

Pare perante a Nossa Senhora da Boa Estrela ou Senhora dos Pastores 
A mais de 1850 metros de altitude, com mais de sete de altura, encontre a Nossa Senhora da Estrela, também conhecida como Nossa Senhora dos Pastores. Neste colossal relevo encontra a Virgem de pé, protegendo com o seu manto os dois pastores que lhe prestam culto. Foi erguida em 1946, pelas mãos de António Duarte.  
40.407312, -7.567113

Passe pela Capela de São Pedro
De uma simples Mesquita, ergueu-se um dos maiores ex-libris da cidade de Seia. Segundo as inscrições nas duas pedras graníticas junto ao portal principal, terá sido mandada edificar nos séculos XII-XIII, e mandada reedificar já no séc. XVI. Visite este templo classificado de Monumento Nacional (desde 1924), descobrindo a influência do estilo românico no seu aspecto sóbrio e robusto, e a abóbada de berço e portal de estilo manuelino, acrescentados no séc. XVI.
40.41961, -7.70115

Visite o Santuário de N.Sra do Desterro

Reza a tradição popular que o aparecimento das imagens da Virgem (no local do Senhor do Calvário), de São José (no local de Nossa Senhora do Desterro) e do Menino Jesus (na atual capela de Nossa Senhora das Dores) originaram a construção deste santuário mariano constituído por dez capelas edificadas entre os séculos XVII e XIX. Da família fazem então parte: a capela principal e nove outras capelas menores, cinco agrupadas no núcleo principal, junto do Rio Alva, e as restantes a diferentes distâncias desse núcleo, além de uma hospedaria e casa de apoio. Saiba que está perante o mais célebre e concorrido Santuário das terras beirãs. Vale a pena desfrutar da beleza da envolvente, pontuada por um curso de água límpida, aproveitado para praia fluvial. 

Visite a Capela de Nossa Senhora do Desterro, Capela de Nossa Senhora dos Prazeres e Capela da Anunciação, Capela de Nossa Senhora dos Prazeres e Capela da Anunciação

Visite a Capela de Nossa Senhora do Desterro
Fundada na primeira metade do séc. XVII – de que resta a pequena sineira – terá sido reconstruída e ampliada nos séculos XVIII-XIX, preservando vários elementos típicos desse período, que merecem a sua atenção. A fachada com elementos de cantaria na empena, a janela interior com cornija contracurva, o mobiliário litúrgico, os retábulos de talha tardo-barrocos, e em especial os retábulos laterais dedicados ao Sagrado Coração de Jesus e ao Bom Pastor.    
40.394843, -7.694955

Deixe-se intrigar pela Capela de Nossa Senhora dos Prazeres ou dos Doutores 
Saiba que está perante a mais peculiar das estruturas – pela raridade do motivo representado, Jesus entre os doutores, quer pela dimensão das suas imagens. Quanto ao tema, encontrará a resposta nas palavras de Lucas: “[o]s pais de Jesus iam todos os anos a Jerusalém, pela festa da Páscoa. Quando Ele chegou aos doze anos, subiram até lá, segundo o costume da festa. Terminados esses dias, regressaram a casa e o Menino ficou em Jerusalém, sem que os pais o soubessem. Pensando que ele se encontrava na caravana, fizeram um dia de viagem e começaram a procura-Lo entre os parentes e conhecidos. Não o tendo encontrado, voltaram a Jerusalém, à sua procura. Três dias depois, encontraram-no no templo, sentado entre os doutores, a ouvi-los e a fazer-lhes perguntas. Todos os quantos ouviam, estavam estupefactos com a sua inteligência e as suas respostas. Ao vê-lo, ficaram assombrados e sua mãe disse-lhe: “Filho porque nos fizeste isto? Olha que teu pai e eu andávamos aflitos à Tua procura!”. (Lc 2,41-48).”

3º Dia Gouveia - Manhã

Contemple a Igreja Paroquial de Vinhó | Igreja do Antigo Convento da Madre Deus

O Mosteiro, dedicado à Madre Deus, foi mandado edificar no séc. XVI por Francisco de Sousa e sua mulher, Dona Antónia de Teive filha de Diogo Teive - fidalgo da Casa Real – para recolhimento de Freiras Clarissas. Repare que o primitivo acesso à entrada principal da igreja era feito lateralmente através do portal quinhentista, existente na fachada esquerda, típico dos templos conventuais femininos. No interior, seguindo o estilo barroco, preste atenção integridade entre a talha e a pintura de caixotão, sendo a abóbada da nave o prolongamento dos retábulos de Estilo Joanino (1706-1750) e a abóbada da capela-mor o prolongamento do retábulo de Estilo Nacional (final do século XVII até à quarta década do século XVIII).

Caminhe pelo Centro Histórico de Gouveia

Bem-vindo ao centro histórico da cidade de Gouveia, com tanto para descobrir. Ao longo da sua caminhada, não deixe de visitar os paços do concelho, o Solar dos Condes de Vinhó e Almedina, o Solar dos Serpa Pimentel de Gouveia, a Casa da Torre, e os diversos templos, com destaque para a Igreja de São Pedro ou a Igreja da Misericórdia. 

Almoço Folgosinho

Visite Folgosinho

Segundo a tradição, foi em Folgosinho, aldeia mais alta do concelho, que nasceu Viriato, o grande guerreiro lusitano. A imponência da aldeia é sentida no seu ponto mais alto. É lá que, cercado de uma imponente vizinhança rochosa, repousam o castelo de Folgosinho e uma deslumbrante paisagem sobre o vale médio do rio Mondego.

Capela de Nossa Senhora da Conceição  (Melo) 

Embora se desconheça a data de edificação da Capela de Nossa Senhora da Conceição, a fisionomia do templo indica-nos que a construção terá ocorrido, provavelmente, no século XVII, tendo sido fundada por João de Almeida (Cónego da Sé da Guarda) e pelo seu irmão António Cabral, como surge referido nas “Memórias Paroquiais” de 1721, ordenadas pelo bispo de Coimbra. A fachada principal e lateral do pequeno templo deixam perceber a intenção de, em ambiente rural, se fazer uso de uma linguagem próxima das edificações mais eruditas, o que se confirma, sobremodo, nos portais, de volta perfeita, ladeados por duas pilastras e encimados por um friso decorado com motivos que revelam inspiração na tratadística italiana quinhentista - tríglifos, motivos geométricos circulares e egicrânios. Sobre os portais (principal e lateral), inseridos em nichos com abóbadas de concha, encontram-se duas imagens, executadas na denominada pedra de Ançã: São Paulo e São João Baptista. De particular interesse são, ainda, as duas gárgulas com decoração antropomórfica na fachada principal. O interior encontra-se despojado de todo o recheio ornamental original, tendo-se, no último quartel do século XX, adquirido as imagens de Cristo Crucificado, Nossa Senhora da Conceição, São Bernardo e São Luís Gonzaga.  

Serra

Companion

A companhia perfeita para o ajudar a descobrir a serra da estrela. Disponível brevemente.

Iphone X

Geolocation

Cruzando as suas preferências e a sua localização, o companion irá fazer as melhores sugestões ao longo da sua viagem.